• Vinicius Cerqueira

Por dentro das vivências e carreira de Nas em "King's Disease"

Produzido por Hit-Boy e participações sensacionais, o rapper reconta em algumas músicas sobre o que passou


Não falar que Nas é um dos rappers mais talentosos que temos nos últimos 20 anos, é dizer uma grande mentira. Tendo isso em mente, o estadunidense nascido e criado em Nova York, especificamente no Queens, lançou mais um trabalho que serve, talvez, como um livro para as suas vivências nas ruas e a trajetória durante sua carreira.


Em "King's Disease" observamos esses pontos em diversas canções, principalmente na faixa "Car #85", que conta com a participação do cantor Charlie Wilson. Em algumas pesquisas feitas ao termo, consegui achar a informação de que isso era uma espécie de serviço bem parecido com o Uber, mas eram utilizados principalmente por traficantes na época numa simbologia de ostentação e transporte de drogas e no decorrer da letra Nas deixa bem explícito o que ele viu em Queensbrigde. Inclusive o local de nascimento do artista é frequentemente citado de diversas formas e "escondidas" em muitas referências.


Vale lembrar que o disco em alguns momentos bem específicos valoriza a cultura negra em referências a grandes nomes que vão desde o cinema, a música e o esporte. Isso ocorre na faixa "Ultra Black", que despontou como single principal para a divulgação desse novo trabalho.



Por outro lado, "a doença do rei" (tradução direta do título) está relacionado mesmo a doença com nome gota, mas interligado nas canções de Nas de maneira mais metafórica, já que a doença em si implica na má alimentação e falta de práticas de atividade física, geralmente ligadas a pessoas que possuem uma certa estabilidade e não precisam se preocupar com isso.


Apesar de "rei", Nas não se deixa abater e continua no hype desde o início da carreira por volta da década de 1990. Além do mais, não prega uma pureza rítmica do hip-hop em seus discos, tentando se renovar e adequar a beats mais jovens e que atraiam públicos de diferentes idades.


O sucesso do disco se dá também muito além do talento do artista, mas está envolvido também na produção de todo o trabalho feito por Hit-Boy. A visão e a mão talento de Hit, que é responsável por grandes músicas de Beyoncé, Travis Scott, Nicki Minaj e A$sap Rocky, sabe onde está se metendo.


Ao fim Nas fez um grande trabalho, mas é isso... Boas músicas, bem produzidas, ótimas participações, porém não é o melhor disco dele.

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Spotify
  • Deezer
  • iTunes

Todos os direitos reservados | Boteco Indie™.