• Vinicius Cerqueira

"PINKBOY", de Yan Cloud é um grito para a representatividade

Artista soteropolitano já coleciona mais de 10 mil de streams no Spotify.

Foto: Mariana Ayumi

Particularmente, já tive a oportunidade de trocar uma ideia com Yan Cloud sobre os projetos que viriam para o futuro e a vontade de lançar de um disco já era antigo, mas para isso ele calcou um caminho de lançamentos anteriores e foi amadurecendo a sua lírica com o passar dos anos desde o seu último álbum ainda em 2016. Por sua vez, Cloud passeou por todos os estilos e musicalidades que se possa imaginar desde o pop até o trap.


"PINKBOY" definitivamente é o resultado desse caminho bem traçado até aqui e reúne as principais qualidades do menino de Salvador que já tem conquistado o seu espaço na cena musical da cidade cada vez mais. Em tempos como este que faltam representatividade nos grandes veículos de comunicação, Yan Cloud traz em seu mais novo trabalho esse grito na qual meninos e meninas pretas precisam ocupar lugares de destaque isso tudo ao som de beats fortes e uma lírica que toca na alma.


Por exemplo, na faixa "O que Cês Esperam" fala sobre estereótipos do que se espera de homens negros em todos os aspectos culturais e sociais arquitetados pelo racismo. "O que 'cês esperam de mim?/ Um jovem negro arrogante/ Fazendo assalto com sua gangue/ Que não usa a cabeça, só a glande", recita.


Retornamos ao tema sobre racismo quando em "Não Toca No Meu Cabelo" quando artista faz uma ode a sua marca registrada e expõe como a sociedade se incomoda com o cabelo afro em versos em parceria com o rapper Saibot. Por outro lado, a faixa também exalta os diferentes tipos de cabelo afro causando a representatividade positiva, como na primeira música "Bafana".



E isso também cabe dentro de um disco com 7 faixas e 20 minutos, a representatividade positiva que o "cabelo quadrado mais foda da city" traz em seus lovesongs "Rala", "Ruanda" e o sambinha "Garota de Salvador", com participação de Nara Couto, que celebram, acima de tudo, o amor preto.


Ao fim "PINKBOY" é um dos discos mais chicletes que eu já escutei nesse ano e a felicidade é multiplicada por ser uma produção inteiramente da minha cidade. Já disse em outra oportunidade e repito aqui: Prestem atenção em Yan Cloud, você ainda vai ouvir muito esse nome por aí! Ouça no player abaixo:



  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Spotify
  • Deezer
  • iTunes

Todos os direitos reservados | Boteco Indie™.